1 2 3 4
"Ó Senhor, dá-me viver e morrer no pequeno ninho da pobreza e na fé dos teus Apóstolos e da tua Santa Igreja Católica."
.:: Liturgia Diária
  • Liturgia semanal comentada
  • 26.10.14 – Domingo – 30ª Semana do Tempo Comum – Ex 22,20-26; Sl 17; 1Ts 1,5-10.

    Evangelho: - Mt 22,34-40 – Naquele tempo, os fariseus ouviram dizer que Jesus tinha feito os saduceus se calarem. Então eles se reuniram em grupo, e um deles perguntou a Jesus para o tentar: “Mestre, qual é o maior mandamento da Lei?” Jesus respondeu: “Ame ao Senhor seu Deus com todo o seu coração, com toda a sua alma, e com todo o seu entendimento. Esse é o maior e o primeiro mandamento. O segundo é semelhante a esse: “Ame a seu próximo como a si mesmo. Toda a Lei e os Profetas dependem desses dois mandamentos.”

     

    Comentário: - No mundo judaico, geralmente se afirmava que a observância do sábado era o mandamento principal, que resumia toda a Lei. Jesus tinha uma postura diferente colocando o amor a Deus e ao próximo como exigências principais. Naquela época, havia até quem pensasse como o Mestre. Entretanto, a novidade de Jesus consistiu em confrontar seus ouvintes não com dois preceitos legais, com força jurídica, e sim com a pessoa de Deus e a pessoa do próximo. As prescrições minuciosas da Lei são desprovidas de valor, quando confrontadas com as exigências de Deus. Portanto, toda a Lei se resume na fidelidade a Deus e ao próximo.

     

    27.10.14 – Segunda feira – 30ª Semana do Tempo Comum – Ef 4,32-5,8; Sl 1.

    Evangelho: - Lc 13,10-17 – Naquele tempo, Jesus estava ensinando numa sinagoga em dia de sábado. Havia aí uma mulher que, fazia dezoito anos, estava com um espírito que a tornava doente. Era encurvada e incapaz de se endireitar. Vendo-a, Jesus dirigiu-se a ela, e disse: “Mulher, você está livre de sua doença.” Jesus colocou a mão sobre ela, e imediatamente a mulher se endireitou, e começou a louvar a Deus. O chefe da sinagoga ficou furioso, porque Jesus tinha feito uma cura em dia de sábado. E tomando a palavra, começou a dizer à multidão: “Há seis dias para trabalhar. Venham, então, nesses dias e sejam curados, e não em dia de sábado.” O senhor lhe respondeu: “Hipócritas! Cada um de vocês não solta do curral o boi ou o jumento para dar-lhe de beber, mesmo que seja dia de sábado? Aqui está uma filha de Abraão que Satanás amarrou durante dezoito anos. Será que  não deveria ser libertada dessa prisão, em dia de sábado?” Essa resposta deixou confusos todos os inimigos de Jesus. E toda a multidão se alegrava com as maravilhas que Jesus fazia.

     

    Comentário: - O chefe da sinagoga não pode suportar a cura realizada por Jesus. Era uma violação gravíssima do preceito sagrado, a observância do sábado. Indignado, exortou todos os que buscavam ser curados, e não apenas a mulher por ter ido procurar cura em dia de sábado. A censura indiretamente atingia também a Jesus. Estava violando um mandamento sem razão. A resposta do Mestre questionou a mentalidade do chefe da sinagoga, argumentando que até os animais podiam serem atendidos em dia de sábado, porquê os filhos de Abraão não podiam?

     

    28.10.14 – Terça feira – 30ª Semana do Tempo Comum – Ef 2,19-22; Sl 18. Festa São Simão e São Judas Tadeu – Apóstolos.

    Evangelho: - Lc 6,12-19 – Nesses dias, Jesus foi para a montanha a fim de rezar. E passou toda a noite em oração a Deus. Ao amanhecer, chamou seus discípulos, e escolheu doze dentre eles, aos quais deu o nome de apóstolos: Simão, a quem também de o nome de Pedro, e seu irmão André; Tiago e João; Filipe e Bartolomeu; Mateus e Tomé; Tiago, filho de Alfeu, e Simão, chamado Zelota; Judas, filho de Tiago, e Judas Iscariotes, aquele que se tornou traidor. Jesus desceu da montanha com os doze apóstolos, e parou num lugar plano. Estava aí numerosa multidão de seus discípulos com muita gente do povo de toda a Judéia, de Jerusalém, e do litoral de Tiro e Sidônia. Foram para ouvir Jesus e serem curados de suas doenças. E aqueles que estavam atormentados por espíritos maus, foram curados. Toda a multidão procurava tocar em Jesus, porque uma força saía dele, e curava a todos.

     

    Comentário: - Conveniente que se observe que, em todas as vezes em que Jesus tomava uma decisão importante, antes ele se recolhia para um lugar ermo e solitário, de preferência em uma montanha, para orar. Daí se depreende que devemos orar com insistência, recolhido em um espaço reservado ou, recolhido em si mesmo.  Jesus escolhe os doze apóstolos, que formarão o núcleo da comunidade nova que ele veio criar. A palavra apóstolo significa aquele que Jesus envia para continuar sua obra. O povo vem de todas as partes ao encontro de Jesus, porque a ação dele faz nascer a esperança de uma sociedade nova, libertada dos males que afligem os homens.

     

    29.10.14 – Quarta feira – 30ª Semana do Tempo Comum – Ef 6,1-9; Sl 144.

    Evangelho: - Lc 13,22-30 – Jesus atravessava cidades e povoados, ensinando e prosseguindo caminho para Jerusalém. Alguém lhe perguntou: “Senhor, é verdade que são poucos aqueles que se salvam?” Jesus respondeu: “Façam todo o esforço possível para entrar pela porta estreita, porque eu lhes digo: muitos tentarão entrar, e não conseguirão. Uma vez que o dono da casa se levantar e fechar a porta, vocês vão ficar do lado de fora. E começarão a bater na porta, dizendo: `Senhor, abre a porta para nós!´ E ele responderá: `Não sei de onde são vocês´. E vocês começarão a dizer: `Nós comíamos e bebíamos diante de ti, e tu ensinavas nas praças!´ Mas ele responderá: `Não sei de onde são vocês. Afastem-se de mim, todos vocês que praticam injustiça!´ Então aí haverá choro e ranger de dentes, quando vocês virem Abraão, Isaac e Jacó junto com todos os profetas no Reino de Deus, e vocês jogados fora. Muita gente virá do oriente e do ocidente, do norte e do sul, e tomarão lugar à mesa no Reino de Deus. Vejam: há últimos que serão primeiros, e primeiros que serão últimos.”

     

    Comentário: - Jesus recusa-se a identificar quem se salvará, por considerar inútil. Importante para ele era empenhar-se, com sinceridade, por viver uma vida agradável a Deus, e assim, ser acolhido por ele, no final da caminhada terrena. É falsa a segurança dos prepotentes. Mas também pode ser falsa a segurança da comunidade cristã. Sem a prática da justiça e da caridade, sem amor, de nada valerá invocar a condição cristã para ingressar no Reino. Quem se considera privilegiado, não procurando vivenciar o amor, será expulso do Reino; ao passo que os últimos serão acolhidos pelo Senhor.

     

    30.10.14 – Quinta feira – 30ª Semana do Tempo Comum – Ef 6,10-20; Sl 143.

    Evangelho: - Lc 13,31-35 – Nesse momento, alguns fariseus se aproximaram, e disseram a Jesus: “Deves ir embora daqui, porque Herodes quer te matar.” Jesus disse: “Vão dizer a essa raposa: eu expulso demônios, e faço curas hoje e amanhã; e no terceiro dia terminarei o meu trabalho. Entretanto preciso caminhar hoje, amanhã e depois de amanhã, porque não convém que um profeta morra fora de Jerusalém. Jerusalém, Jerusalém, você que mata os profetas e apedreja os que lhe foram enviados! Quantas vezes eu quis reunir seus filhos, como a galinha reúne os pintinhos debaixo das asas, mas você não quis! Eis que a casa de vocês ficará abandonada. Eu lhes digo: vocês não me verão mais, até que chegue o tempo em que vocês mesmos dirão: Bendito aquele que vem em nome do Senhor.”

     

    Comentário: - A atividade de Jesus provoca temor e reação das autoridades. Jesus não as teme, e continua a realizar a missão que liberta as pessoas e ao mesmo tempo vai levá-lo à morte. Sua missão de salvador vindo para reconciliar o povo eleito com o Pai foi recusada. Pior que a maldade do ímpio Herodes foi a perversidade das autoridades e dos habitantes de Jerusalém. Estando em condições de acolher a salvação oferecida pelo Filho de Deus, rejeitaram-na, fazendo-se indignos dela. Estes eram os verdadeiros inimigos de Jesus.

     

    31.10.14 – Sexta feira – 30ª Semana do Tempo Comum – Fl 1,1-11; Sl 110.

    Evangelho: - Lc 14,1-6 – Num dia de sábado aconteceu que Jesus foi comer em casa de um dos chefes dos fariseus, que o observavam. Havia um homem hidrópico diante de Jesus. Tomando a palavra, Jesus falou aos especialistas em leis e aos fariseus: “A Lei permite ou não permite curar em dia de sábado? Mas eles ficaram em silêncio. Então Jesus tomou o homem pela mão, o curou, e o despediu. Depois disse a eles: “Se alguém de vocês tem um filho ou um boi que caiu num poço, não o tiraria logo, mesmo em dia de sábado?” E eles não foram capazes de responder a isso.

     

    Comentário: - A cura do doente significa o ato libertador para quem estava submetido à Lei. O descaso para com a observância da lei do sábado é uma das práticas mais comuns de Jesus, o que causa a reação dos fundamentalistas. Libertar os que estão sob o jugo de regras rígidas e incompatíveis com o dia a dia das pessoas é uma opção prioritária de Jesus. Ele tinha um argumento irrefutável: se um jumento ou boi, caindo num poço em dia de sábado é logo retirado, quanto mais merece receber o dom da cura, em dia de sábado, quem está sofrendo com uma doença. Pensar diferente seria dar mais importância aos animais que aos seres humanos.

     

    01.11.14 – Sábado – 30ª Semana do Tempo Comum – Ap 7,2-4.9-14; Sl 23; 1Jo 3,1-3. Solenidade Todos os Santos.

    Evangelho: - Mt 5,1-12 – Naquele tempo, Jesus viu as multidões, subiu à montanha e sentou-se. Os discípulos se aproximaram, e Jesus começou a ensiná-los: “Felizes os pobres em espírito, porque deles é o Reino do Céu. Felizes os aflitos, porque serão consolados. Felizes os mansos, porque possuirão a terra. Felizes os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. Felizes os que são misericordiosos, porque encontrarão misericórdia. Felizes os puros de coração, porque verão a Deus. Felizes os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus. Felizes os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino do Céu. Felizes vocês, se forem insultados e perseguidos, e se disserem todo tipo de calúnia contra vocês, por causa de mim. Fiquem alegres e contentes, porque será grande para vocês a recompensa no céu. Do mesmo modo perseguiram os profetas que vieram antes de vocês.”

     

    Comentário: - As bem-aventuranças proclamadas por Jesus funcionam como balizas para quem está empenhado em participar plenamente das alegrias do Reino. A alegria maior para o seguidor do Mestre consiste em ser acolhido no Reino, pelo Pai, e poder viver a eterna comunhão com ele. Ao balizar o caminho do Reino, Jesus estabeleceu parâmetros concretos para orientar a vida do discípulo. São grandes linhas de ação, que conduzem à santidade. Quem se guia por elas, pode estar certo de estar no caminho seguro.

     

     

    Aguardando Conteudo...
PAROQUIA SANTO ANTONIO - Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento e Hospedagem: Faça! Websites (66) 3531-4645